Lista de livrarias em que o Dicionário está à venda:

Versão online integral do Dicionário: clique aqui.

Capa, contracapa, ISBN e introdução da 4a Edição da obra (publicada em setembro de 2013): clique aqui.

Aulas de Tradução Jurídica no YouTube: http://www.youtube.com/user/dicionariomarcilio/videos
Mais aulas online de Tradução Jurídica: http://www.authorstream.com/marciliomcastro/

PDF com 20 razões para adquirir o Dicionário (2006): clique aqui.
PDF com Amostra online do Dicionário (1a edição): clique aqui.

Email para contato marciliomcastro@gmail.com
_____

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

norte-americano, americano ou estadunidense?

Como traduzir o termo American: norte-americano, americano ou estadunidense?

Traduza American por norte-americano, ‘dos Estados Unidos’, ‘dos EUA’, ou simplesmente americano. Evite utilizar ‘estadunidense’, por ser termo utilizado majoritariamente – no Brasil – com forte conotação pejorativa.

Em outras palavras: os termos “norte-americano” e “americano” são termos neutros, sem conotação ideológica. Ao contrário do que algumas pessoas afirmam, não há ambiguidade, pois pelo contexto fica sempre bem claro se referirem aos Estados Unidos da América. Da mesma forma que o termo “mineiro” pode se referir ao habitante de Minas Gerais ou a quem trabalha em mina. Vide http://veja.abril.com.br/blog/sobre-palavras/consultorio/americano-norte-americano-ou-estadunidense/
Além disso, o termo “americano” (em suas grafias estrangeiras) é consagrado em todas as principais línguas. Vide os dicionários de francês, italiano, alemão, etc. Uma das poucas exceções é a língua espanhola. E também consta nessa acepção em todos os dicionários brasileiros (Aurélio, Houaiss, etc.).
Já o termo "estadunidense” é usado no Brasil quase que exclusivamente por publicações antiamericanas, antiocidentais, comunistas, marxistas, leninistas, socialistas, coletivistas, Carta Capital, MST, e outros losers. Inclusive, é claro, professores de História, Filosofia, Sociologia, Geografia e Português, em nossas tristes escolas e universidades públicas (e muitas particulares), no esforço de incutir nos estudantes a aversão aos Estados Unidos e ao capitalismo.