Lista de livrarias em que o Dicionário está à venda:

Versão online integral do Dicionário: clique aqui.

Capa, contracapa, ISBN e introdução da 4a Edição da obra (publicada em setembro de 2013): clique aqui.

Aulas de Tradução Jurídica no YouTube: http://www.youtube.com/user/dicionariomarcilio/videos
Mais aulas online de Tradução Jurídica: http://www.authorstream.com/marciliomcastro/

PDF com 20 razões para adquirir o Dicionário (2006): clique aqui.
PDF com Amostra online do Dicionário (1a edição): clique aqui.

Email para contato marciliomcastro@gmail.com
_____

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Nota estilística: excesso de conjunções

Veja este trecho de peça jurídica, cinco parágrafos contíguos:
(...)
Nesse sentido, é importante ressaltar que ... blá blá blá.
Portanto, ... blá blá blá.
Nesse diapasão, impende esclarecer que ... blá blá blá.
Por conseguinte, ... blá blá blá.
Neste tocante, ... blá blá blá.
Ademais, insta frisar que ... blá blá blá.
Registro, por oportuno, que ... blá blá blá.
Note-se, desde logo, ... blá blá blá.
Pois bem. Blá blá blá.
Em conclusão, ... blá blá blá.
 
Explico: quando tínhamos 14 anos de idade, a professora nos disse que precisávamos começar cada parágrafo da redação com uma conjunção ou expressão conjuntiva. Isso para ligar as ideias, para que o texto ficasse coerente e coeso.
Todavia, nós advogados e outros profissionais do Direito não estamos mais na oitava série do ensino fundamental. Não precisamos de todo esse “entulho conjuntivo”, esses quebra-molas linguísticos, tiques nervosos, soluços retóricos.
O uso de uma expressão conjuntiva, de ligação, no início de cada parágrafo da petição, sentença ou parecer – além de desnecessário – é irritante e denota falta de proficiência no uso da língua portuguesa. Elas devem ser usadas com parcimônia.
Veja os principais escritores, jornalistas e ensaístas, nos principais jornais brasileiros e internacionais. Os editoriais da Folha de S. Paulo, do Estado de S. Paulo, da Veja, do New York Times, da The Economist. Os mais famosos colunistas. O texto flui com naturalidade, sem essa obsessão em usar uma expressão “de ligação” no início de cada parágrafo.
Ao traduzir um texto jurídico, não é necessário traduzir a maioria desses “espasmos linguísticos”, podem ser simplesmente ignorados. O leitor da versão agradecerá.
Aproveito para dar uma dica para quem quer melhorar o português (e o inglês): ler muitos editoriais dos mais respeitados jornais e revistas. São o que há de melhor no idioma: concisos, diretos no ponto, linguagem culta, argumentativos, escritos pelos jornalistas mais seniores e experientes. E também uma ótima forma de se manter informado.